quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Nobel para Mo Yan


E o Nobel foi para Mo Yan (pseudônimo de Guan Moye e que significa "não fale"). Aos 57 anos, ele estava bem cotado na Ladbrokes e outras casas de apostas. Chamam-no de  o "Kafka chinês". Curiosamente, não se trata de um autor proibido pelo governo, tanto que recebeu em 2011 o Prêmio Mao Du, o principal do seu país, e é vice-presidente da Associação de Escritores da China. Em 2009, boicotou a Feira de Frankfurt, que convidou autores banidos pelo regime. 

Curioso para um "não fale"...

Não tem nenhuma obra traduzida por aqui, e confesso que nunca tinha ouvido falar dele antes das tais listas de favoritos para o Nobel. Mas seu romance O Sorgo Vermelho foi ao cinema, pelas mãos de Zhang Yimou, e recebeu o Urso de Berlim de 1988. 

Para a Academia, ele associa imaginação e realidade, perspectiva histórica e social, criando um universo que, pela sua complexidade, lembra escritores como Faulkner e García Márquez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário