terça-feira, 2 de outubro de 2012

Eric Hobsbawm, 1917-2012


Morreu Eric Hobsbawm. Lido em todo o mundo, inclusive no Brasil. Aqui,uma entrevista para o Estado de S. Paulo. Ele reclamava que as pessoas, hoje, viviam algo como a eternização do presente - as coisas são como são e jamais mudarão, o que, obviamente, é algo irreal. Para Santo Agostinho, uma forma de inferno. Li A Era dos Extremos e Sobre História. Fez parte de uma geração de comunistas britânicos. Criticou violentamente os trabalhistas britânicos e, com especial empenho, Tony Blair. Entre seus desafetos, Tony Judt, autor do incrível Pós-Guerra, e que esculachou o comunismo de seu ex-amigo, que teria "romantizado bandidos rústicos".

4 comentários:

  1. Eric - como era chamado familiarmente pelo Lula - faz parte dos que nao analisaram criticamente suas teorias. Nao teve a intuiçao de prever o desmantelamento do marxismo-leninismo nem a autocritica apos as denuncias contra os crimes stalinistas. Fiel a suas convicções,o que mostra que era mais um "funcionario" da historiografia marxista do que um intelectual que usasse a historia para moldar o futuro. E.

    ResponderExcluir
  2. Já li muito sobre ele mas ainda nada dele mesmo, "Sobre História" me aguarda, pacientemente, na estante. Acho que chegou a hora de abri-lo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale a pena, mesmo que não se concorde com o que ele pensava. Seu texto é muito agradável de ler. O que eu mais gostei foi o Breve Século XX - para ele, o século nasceu em 1917 (como ele) e morreu em 1991.

      Excluir