sábado, 16 de julho de 2011

O Nariz de Stendhal


Daniel Guebel é o autor do conto da semana. O argentino está na antologia Os Outros – narrativa argentina contemporânea, organizada por Luis Gusmán e editada pela Iluminuras. O livro vale para conhecermos os autores vizinhos para além de Borges, Casares e Martinez.

Stendhal, designado pelo exército para ajudar o general Michaud, desapareceu a caminho de Roma. Na verdade, foi para Riga, para corrigir o seu nariz, que excedia as proporções convenientes. Procura o famoso cirurgião Vilnius Daugavpils, que uma vez por mês dava uma aula magna no salão do Pavilhão de Ciências Médicas da universidade.

O dito sujeito agia como um deus. As pessoas faziam de tudo para furar a fila interminável e finalmente conseguir ser operadas. Cortar caminhos por subornos. Stendhal preferia aguardar. Mas o tempo passava, e nada...

No 1º de abril de 1800, assiste à aula magna. O mestre afirma que, ao longo dos séculos, a cirurgia plástica foi proibida – por que mudar a imagem de alguém quando o homem é criado à semelhança de Deus? A arte da anatomia – os melhores anatomistas do mundo eram os melhores artistas, como da Vinci. A aula, a propósito, se intitula “Percurso histórico arrazoado da vivisseção – desde os egípcios até os nossos dias”. Todas essas considerações eram proclamadas ao mesmo tempo em que operava sua cobaia, sua colaboradora involuntária Neris Hirumaa, uma mendiga louca e meio morta generosamente cedida pelo hospício municipal.

Ao pegar o escalpelo, protagoniza a cena que muda a vida de Stendhal; além de dissuadi-lo para sempre da necessidade de tornar mais decente seu apêndice nasal, modificou seu primeiro impulso literário, que era o de se tornar o “escritor das cenas de guerra”.

No dia seguinte, com todo o seu nariz, Stendhal abandonou a cidade.

2 comentários:

  1. Quique de Lucio: Excelente tu blog. Lo visitaré a menudo. A mi me gusta la poesía de Luis Gusmán que citas en la nota.
    quiquedelucio@gmail.com

    ResponderExcluir
  2. O Nariz de Gogol (em audiobook no You Tube) e a opera de Shostakovitch (ver pelo Metropolitan no YT) sem falar no Cyrano de Bergerac complementam a melecada do Sthendal.

    ResponderExcluir