terça-feira, 9 de agosto de 2011

Sentimento do Fim do Mundo, de Willian Delarte





Editora: Patuá
ISBN 978-85-64308-07-7
132 páginas
2011


Este post inaugura a primeira parceria da Biblioteca, com a Editora Patuá, de São Paulo. É uma oportunidade para conhecer a produção literária brasileira contemporânea.

Willian Delarte inscreve seu nome, com seu Sentimento do Fim do Mundo, entre os autores brasileiros da novíssima geração. Dialoga com Carlos Drummond de Andrade, com quem chega a ter uma “conversa” logo no início. Se em Sentimento do Mundo (1940), Drummond cuida de um mundo prestes a entrar em guerra (os poemas foram escritos entre 1935 e 1940), o Fim do Mundo está igualmente sintonizado com o nosso tempo – e Delarte já o avisa: entramos todos no Mundo virtual que é global, que é individual, que é tudo o que pregam nossos profetas.

Redes sociais de comunicação, da ciência do consumo eterno, do espírito diminuto globalizado, prossegue. Em Inicialização Operacional Homem Digital 1.0, vê um elemento – justo o único elemento humano -  que teima em não ser “baixado”; em Emergência, esse mesmo elemento é elevado a palavra de ordem. Tal como Drummond, permanece a preocupação com os rumos que tomamos.

No poema de Drummond, tenho apenas duas mãos/e o sentimento do mundo/ mas estou cheio de escravos/ minhas lembranças escorrem/ e o corpo transige/ na confluência do amor.
No Fim do Mundo o poeta não tem mais escravos, mas carrega todas as suas dores e cicatrizes, o peso de todas as lembranças do mundo. Prevalece o olhar pessimista e melancólico, que também é notável em outros versos, como em Minha Inscrição:
Vermes insaciáveis a me consumir
num tom solene de despedida,
trar-me-ão a certeza de que tanto fugi:
de que nada valeu
e que a vida é sempre
conta vencida
Como afirma Monica Simas no prefácio, são versos brutalmente belos.

3 comentários:

  1. Ainda me encontro de férias,passo para deixar um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o autor. Poeta ou tambem prosador? Interessante seria conhecer outras obras do Delarte.

    ResponderExcluir
  3. O velho Fernando Pessoa deixou bons seguidores. Este é um exemplo.

    ResponderExcluir