sexta-feira, 17 de junho de 2011

Conto da semana - Antonio Tabucchi

Antonio Tabucchi é autor do romance Afirma Pereira (Rocco, 1995, traduzido por Roberta Barni) e transformado em filme de Roberto Faenza, com Marcello Mastroiani, Joaquim de Almeida e Daniel Auteuil.

O italiano é um dos maiores especialistas em Fernando Pessoa – Tabucchi é, inclusive, muito parecido, fisicamente, com Pessoa. Afirma Pereira se passa em Lisboa, sob a ditadura de Salazar, em 1938.

O conto da semana é uma homenagem de Tabucchi a Pessoa – está no livro Sonhos de Sonhos (Rocco, 1996, traduzido por Rachel Gutierrez): Sonho de Fernando Pessoa: poeta e fingidor.

Em 7 de março de 1914, o poeta sonhou que estava acordado. Estava se dirigindo à estação de trem de Lisboa para ir a Santarém. Chegando a essa cidade, pegou um coche. Pergunta ao cocheiro se ele sabia de uma casa isolada caiada de branco, ao que o condutor respondeu que sim, que é a casa do Sr. Caeiro.

Onde estavam? Estamos na África do Sul, respondeu o cocheiro, e o estou levando à casa do Sr. Caeiro.

(...) Ah! então estava na África do Sul, era exatamente o que queria. Cruzou os tornozelos nus, saindo das calças à marinheiro. Compreendeu que era um menino, e isso muito o alegrou. Era ótimo ser um menino que viajava pela África do Sul. Retirou do bolso uma carteira de cigarros e acendeu um com prazer.

Chegando à tal casa branca, viu Caeiro, que estava sentado em uma das poltronas e tinha a cabeça inclinada para trás. Era o diretor Nicholas, seu professor da High School.

Não sabia que Caeiro fosse o senhor, disse Fernando Pessoa, e inclinou-se ligeiramente (...) O senhor é o meu mestre, disse.

Caeiro suspirou e depois sorriu. É uma longa história, disse, mas é inútil que eu a explique a você tintim por tintim, você é inteligente e vai compreender, mesmo que eu salte algumas passagens. Saiba apenas isto: eu sou você.

Explique-se melhor, disse Pessoa.

Sou a parte mais profunda de você, disse Caeiro, sua parte obscura. Por isso sou seu mestre. (...) Você deve seguir a minha voz, disse Caeiro, vai me ouvir na vigília e no sono, vou perturbá-lo às vezes, em outras nem quererá me ouvir. Mas terá de me escutar. Deverá ter a coragem de escutar esta voz, se quer ser um grande poeta.

Ao que Fernando Pessoa responde prontamente estar de acordo. Parte da casa branca, retorna ao coche, que o esperava todo esse tempo. Agora, já é adulto.

Onde devo levá-lo? perguntou o cocheiro. Leve-me ao fim do sonho, disse Pessoa, hoje é o dia triunfal da minha vida.

E acorda no dia 8 de março. Como diz Tabucchi: O “dia triunfal” de sua existência foi 8 de março de 1914, quando os poetas que o habitavam começaram a escrever por sua mão.

3 comentários:

  1. Vale a pena destacar a ultima atuação de Mastroiani,magnifica,no filme

    ResponderExcluir
  2. Que interessante você citar Tabucchi, Fábio. Li o livro em janeiro e fiquei encantada com o autor. Li a tradução em inglês, que por sinal é muito boa. Aliás, não sabia que o livro foi traduzido para o português. Na realidade, fiquei emocionada com o seu post, que descobri pelas palavras chaves ao lado!
    Abraço grande,
    Vera Helena

    ResponderExcluir
  3. Fiquei emocionada com esta posatagem, que descobri pelas palavraschaves ao lado. Li Sostiene Pereira em janeiro e fiquei simplesmente encantada com o livro, em busca de uma tradução em português e de outros livros do autor. Muito bom saber de outros que o conhecem. Quero muito assistir ao filme.
    Abraços,
    Vera Helena

    ResponderExcluir