segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Ninguém escreve como eu

António Lobo Antunes, na edição brasileira do El País:

P: Em Portugal é muito conhecido também por suas crônicas em revistas e jornais...

R: Isso só faço porque pagam bem. As pessoas gostam porque são como piscinas para crianças. É impossível afogar-se. Os livros, por sua vez, são feitos para que se afoguem. Comecei a fazer essas crônicas com meu amigo José Cardoso Pires, de quem sinto muita saudade.

A entrevista, que pode ser lida aqui, não ajuda a melhorar sua imagem diante dos saramaguistas mais fanáticos que sempre o odiaram. Mas, justiça seja feita, ele não dá a mínima para essa questão.

2 comentários:

  1. Grande António Lobo Antunes!, Grande José Saramago!

    Grande José Saramago!, Grande António Lobo Antunes!

    Para que não ocorram reclamações de ordem de citação.

    ResponderExcluir
  2. AINDA BEM... NO BRASIL, DUAS CORRENTES, NEM PENSAR... TUDO É UNANIMIDADE. E.

    ResponderExcluir