domingo, 12 de janeiro de 2014

Conto da semana, de David Rose

O primeiro conto da semana do ano é do inglês David Rose (1949), de quem já li Flora. Recebi gentilmente do autor suas Posthumous Stories (Histórias Póstumas), lançadas no ano passado. Inédito por aqui.  Considerado um tesouro escondido do conto inglês pelo The Guardian. Uma coletânea de contos, que aos poucos aparecerão por aqui. Vou tentar traduzir alguns. 

Shuffle aborda uma questão que, se não é exatamente inédita, está longe de ser resolvida: o leitor que sabe que não tem tempo para ler tudo o que deseja. Armado de seu e-reader, o narrador - mais de 50 anos - está angustiado - vamos considerar que eu viva até 83, a idade em que meu pai morreu. Ajustando as variáveis - aumentando o tempo de leitura na aposentadoria mas com uma gradual desaceleração na velocidade, considerando ainda que eu não tenha glaucoma, catarata, Parkinson, etc - e numa média de 3 livros por semana, eu teria um total de 4992. Parece muito. 

Mas considerando que a lista da Penguin Classics está por volta de 1300, e a da Penguin Modern Classics talvez mais; que juntando a lista de Manguel com o cânone de Bloom daria um total de cerca de 1800, e que apesar de já ter lido vários deles, cheguei numa idade em que sinto necessidade de reler alguns livros...

A conclusão nós já sabemos, e é evidente: a missão é absolutamente impossível. Decide, então, selecionar o que ler. Parte do cruzamento das listas de Manguel e Bloom, faz o download de uns 500. Como sabemos, um livro leva a outro, de forma imprevisível, mas o método não funciona para o narrador no e-reader, que parte, então, para uma ordem alfabética, lendo, aleatoriamente, capítulos de A Invenção de Morel, As Viagens de Gulliver, entre outros. Tudo isso enquanto visita prostitutas do leste europeu que, sem dominar direito o inglês, confundem petrol com patrol, sempre temendo uma batida policial.

Uma média de 3 livros por semana. Não tenho nenhuma pretensão neste sentido. A missão é impossível, ainda mais para quem fica procurando por novidades. Este volume de contos de David Rose é uma dessas boas novidades, que nos permitem descobrir um novo nome. Com alguma sorte, poderemos esperar vê-lo editado por aqui.




Nenhum comentário:

Postar um comentário