sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Um golpe de mestre, de Reha Çamuroglu

 
Um golpe de sorte
Reha Çamuroglu
Resultado de imagem para reha çamuroğlu
Tradução de Marina Mariz
Sá Editora, São Paulo, 2011, 130p.
 
Sultão Vermelho - era com essas duas palavras que todos os adversários do sultão - gregos, armênios, árabes e os Jovens Turcos - o descreviam. Aos sussurros, eles falavam de seus porões de tortura, dos cadáveres que a maré trazia pela manhã e, com ódio, medo e às vezes com uma inveja que não conseguiam ocultar, eles se queixavam desse homem que comandava o império há trinta anos. Contudo, Anna tinha razão. Todos eles pertenciam à elite. Ou tinham bons negócios que arrecadavam muito dinheiro, ou eram filhos de paxás e nobres. Charles via e sentia claramente que as camadas populares amavam o Sultão Vermelho, enquanto a elite - inclusive nos círculos em torno do monarca - o odiava profundamente.
 
Em muitos casos, a literatura de um país se resume, para o público externo, a um grande nome. O Brasil mesmo, lá fora, foi reduzido a Jorge Amado e, nos últimos anos, suprema decadência, a Paulo Coelho. No caso da Turquia, nos últimos (muitos) anos domina o Nobel Orhan Pamuk.
 
Um golpe de mestre, de Reha Çamuroglu, publicado no Brasil pela Sá Editora, tenta quebrar essa situação (a editora já editou meia dúzia de novos autores turcos).
 
O enredo se situa na Constantinopla de 1905, sede do moribundo Império Otomano que não duraria mais vinte anos, sob o reinado do sultão Abdulhamid II, o Sultão Vermelho. Um anarquista belga, Charles Jorris, junta-se à resistência armênia para matar o Sultão. Sabe que a polícia está à sua cola, mas as coisas não são assim tão simples... A participação do próprio Sultão é decisiva para o desfecho da trama.
O jovem Sultão, em 1868
 
A História é pano de fundo para uma história de suspense policial, de leitura rápida, inspirada no poeta Tevfik Fikret. O atentado é real; ocorreu, efetivamente, patrocinado pela Federação Revolucionária Armênia, matando 26 pessoas - e sequer ferindo o Sultão que, apesar de extremamente hábil (ao menos no romance) não teve grande sobrevida: foi deposto em 1909 e foi o último a reinar com poderes absolutos.
 
Um livro interessante, mas não espere grandes detalhamentos históricos.
 
Ah, o poema de Tevfik Fikret está no final do livro:
 
Um baque... fumaça...toda uma multidão
Por uma mão, feroz, maligna, rancorosa
Como num festival, levada de roldão
Fazendo chover sangue, ossos, cabeças...
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário