quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

As letras e as chuvas


A literatura brasileira tem um dos seus grandes momentos ao tratar da seca - fiquemos com Vidas Secas, de Graciliano Ramos.

Mas o que dizer da chuva? Ocupa ela algum lugar realmente de destaque nas nossas letras? 

Os ingleses escrevem e escreveram obsessivamente sobre ela. 

Flooding In England

A imagem acima data da enchente de Severn, em 1607. Em artigo que pode ser lido, em inglês, aqui, publicado no The Guardian, Alexandra Harris visita a literatura inglesa debaixo de um imenso guarda-chuvas: de Chaucer a George Szirtes, passando - claro - por Shakespeare.

Nenhum comentário:

Postar um comentário