segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Lorde Macaulay e Sócrates




Após a condenação, a corte não tinha de aceitar a punição pedida pelo promotor. O próprio acusado poderia sugerir uma pena mais branda. E os promotores pareciam esperar, ou mesmo desejar, que Sócrates propusesse o banimento, que a corte teria aceitado e, com isso, aliviaria a sua culpa pela morte dele.

Sócrates não teve nada disto, como Platão relata. Em vez de pedir clemência, Sócrates exibiu seu incomum talento para irritar. O que nos ajuda a compreender a impaciência em relação ao seu caráter manifestada por argutos historiadores. "Quanto mais eu leio sobre ele", declara lorde Macaulay, "menos eu me surpreendo com o fato de que eles o envenenaram".

Daniel J. Boorstin, Os Investigadores, Civilização Brasileira, 2003, p. 55. Boorstin (1914-2004) foi nomeado Bibliotecário da Biblioteca do Congresso, e autor do excelente Os Descobridores. 

Um comentário:

  1. Boorstin faz parte de uma serie de autores generalistas no sentido de nao se deterem em estudar um unico aspecto da historia e da cultura. Assim como Paul Johson e Will e Ariel Durant - guardadas as devidas proporções - fazem falta no mundo de estrelas academicas onde as referencias e bibliografia constituem paginas mais consistentes do que o proprio texto. E

    ResponderExcluir