segunda-feira, 7 de julho de 2014

Sevilha

Já nada resta do Arenal
de que contou Lope de Vega.
A Torre do Ouro é sem ouro
senão na cúpula amarela.

Já não mais as frotas das Índias,
e esta hoje se diz América;
nem a multidão de mercado
que se armava chegando elas.

Já Rinconte e Cortadilho
dormem no cárcere dos clássicos
e é ponte mesmo, de concreto,
a antiga Ponte de Barcos.

Urbanizaram num Passeo
o formigueiro que antes era;
só, do outro lado do rio,
ainda Triana e suas janelas.

(João Cabral de Mello Neto)

Um comentário: