quarta-feira, 27 de junho de 2018

Com Borges, de Alberto Manguel

Resultado de imagem para com borges alberto manguel
Com Borges
Alberto Manguel
Traduzido por Priscila Catão
Editora Âyiné, 2018


Abro caminho com os ombros no meio da multidão na Calle Florida, entro na recém-construída Galeria del Este, saio pelo outro lado e atravesso a Calle Maipú e, encostando-me na fachada de mármore vermelho do número 994, pressiono o botão do 6B. Entro no hall frio do prédio e subo os seis andares de escada. Toco a campainha e a empregada abre a porta, mas, antes que ela me deixe entrar, Borges sai de trás de uma cortina, com a postura bastante ereta, terno cinza abotoado, camisa branca e gravata amarela listrada levemente torta, arrastando-se um pouco ao se aproximar. Cego desde quando havia quase sessenta anos, ele se move hesitante mesmo num espaço que conhece tão bem quanto o seu. Estende a mão direita e me dá as boas-vindas com um aperto distraído e fraco. Não há mais formalidades. Ele se vira e me guia até a sala de estar, sentando-se ereto no sofá virado para a entrada. Eu me acomodo na poltrona à sua direita e ele pergunta (mas as suas perguntas são quase sempre retóricas):'Bem, que tal lermos Kipling esta noite.

Finalmente é publicado no Brasil - pela inacreditável editora Âyiné - o relato em que Alberto Manguel  (1948) conta de sua experiência de ter frequentado, entre 1964 e 1968, a residência de Jorge Luís Borges. Já cego, o escritor, que frequentava a livraria Pygmalion, onde Manguel trabalhava, precisava de alguém que lesse em voz alta para ele. No Brasil, há alguns anos, disse já ter contado 40 mil vezes como conheceu Borges.

A cegueira, seus hábitos de leitura ("Nunca se sentia obrigado a ler um livro até a última página", algumas curiosidades ("deu aulas sobre Finnegans Wake sem nunca ter terminado o livro de Joyce), a amizade com Bioy Casares e Silvia Ocampo, a nunca desperdiçada oportunidade de falar mal de Vargas Llosa (Manguel e Borges nunca simpatizaram com o Nobel peruano), os relatos dos sonhos e a descrição das poucas prateleiras do apartamento de Borges - tudo aparece nessas 68 páginas lidas de uma tacada só.

Manguel, que até recentemente viveu na França, retornou a Buenos Aires. Hoje, dirige a Biblioteca Nacional, como seu mestre. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário