quarta-feira, 25 de outubro de 2017

A história do amor (2016), de Radu Mihaileanu




Não sei se já passou nos cinemas daqui, mas consegui assistir na TV a cabo a mais um trabalho do excelente Radu Mihaileanu (Trem da Vida, O Concerto, A fonte das mulheres). Este A história do amor é uma adaptação do romance da norte-americana Nicole Krauss e tem como protagonista Derek Jacobi, que interpreta Leo Gursky. 

Leo deixou sua pequena vila na Europa com a chegada dos nazistas. Alma Mereminski (Gemma Arterton), sua amada, já tinha feito as malas antes. Os dois fizeram juras de amor eterno e de troca de cartas mas, por alguma razão, as cartas de Leo nunca chegaram a Alma. Leo quer ser escritor, e avisa que irá escrever sobre aquilo que mais entende: Alma. Seria o romance A história do amor.

Décadas depois, Leo é um idoso que vive em Chinatown, num apartamento microscópico, com o amigo Bruno Leibovitch (Elliot Gould). Passa os dias sacaneando a atendente do café, uma jovem alemã, entornando café (Leo não gosta de alemães), ou posando nu numa escola de pintura - quer alguma atenção. 

Paralelamente a essa história, temos outra Alma (Sophie Nélisse), uma adolescente solitária que vive no Brooklyn, determinada a arrumar alguém para sua mãe, Charlotte (Torri Higginson), leitora fã do livro A história do amor, escrito por... Zvi Litvinoff (Claudiu Maier), a ponto de dar o nome da personagem principal à sua filha.

O irmão dessa jovem Alma, Bird (William Ainscough) é uma figura à parte: acredita ser um Lamed Vovnik, um dos homens justos que sustentam o mundo... 

Mas, voltemos a Zvi, improvável autor d'A história do amor.

Na juventude, Leo, Bruno e Zvi formavam um trio que disputava as atenções de Alma. O livro, na verdade, fora escrito por Leo, que o enviou a Alma Mereminsky. Como chegou a Zvi? O que aconteceu com o manuscrito?

Há quem tenha visto no filme uma bela história mas, parando para pensar, e evitando aqui qualquer coisa parecida com spoiler (obviamente para quem, como eu, não leu o romance), como uma pessoa pode ter sequestrado toda (toda mesmo) a vida de outro; uma apropriação por completo - carreira, fama, mulher (mesmo não tendo se casado com Alma). Como nos outros filmes de Radu Mihaileanu, a recomendação é sempre positiva: assista.


Nenhum comentário:

Postar um comentário