terça-feira, 5 de julho de 2016

Na Ventania, de Nartti Helde (2014)




Erma (Laura Peterson) vive com seu marido Heldur (Tarmo Song) e a filha Eliide (Mirt Preegel) num idílio rural. Heldur é fazendeiro e membro da Liga de Defesa estoniana. Apesar dos esforços dos familiares em convencê-los a abandonar o país e fugir da cada vez mais evidente invasão pelo leste, eles resolvem permanecer em sua casa. 

Os soviéticos chegam e o inferno começa. E assim, também, a sucessão de imagens fortes - algumas lembram fotografias. E o que ouvimos são as cartas escritas por Erma. Sabemos de tudo através dela - das desgraças, das mortes, do retorno após a morte de Stalin. 

Se você já leu os romances de Sofi Oksanen - Expurgo e As vacas de Stálin - certamente está situado no tempo e no espaço desse filme - a ocupação soviética da Estônia, durante a Segunda Guerra. Milhões de cidadãos bálticos capturados e deportados para a Sibéria.  

Não é uma narrativa romanceada nem um documentário, mas possui grandes elementos de ambos. A câmera se move, com tranquilidade, e assistimos, por quase uma hora e meia, uma sucessão de imagens - não, imagens não, o certo é chamarmos de quadros. 

Talvez seja, em essência, aquilo que chamávamos de "cinema-arte", expressão que, como tantas outras, ficou tão desgastada e banalizada, mas que aqui parece recuperar seu real sentido. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário